Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Corrida Contra o Tempo

Corrida Contra o Tempo

14
Fev18

Não Viveram Felizes Para Sempre

final.jpg

Dizes-lhe que Ela é Bela, mas escusas de esperar que por magia Ela faça com que deixes de ser um Monstro. Ela pode ter uma linda voz, tão agradável como a da Ariel, mas não esperes que, tal como a sereia fez por Eric, deixe tudo por ti. Até pode ter a sensualidade da Jasmine, mas não te armes em Aladdin, que nem com a ajuda de 40 ladrões lhe roubas o coração. É trabalhadora como Tiana, mas não penses que acredita que te transformas num príncipe se te beijar. Adora a Natureza e acredita no amor, mas ao contrário de Aurora, não está disposta a esperar que o beijo do verdadeiro amor surja e que mude a sua vida para melhor. Por muito sonhadora que seja, tal como Wendy , Ela nunca estaria disposta a esperar por quem quer ir e voltar quando lhe apetece, por quem tem medo de crescer e que está mais desorientado que todos os Meninos Perdidos juntos ou por quem ainda acredita que o pó mágico irá resolver sempre todos os seus problemas e que nem consegue controlar a própria sombra. Talvez seja um pouco ingénua, como a Alice, mas não aguentaria a instabilidade do Chapeleiro Louco, as meias palavras do Gato Cheshire ou a obceção pelo tempo que o Coelho Branco tem. Adora artes e é uma pessoa aventureira, alegre e divertida como Rapunzel, no entanto, não acreditaria que homens que sempre foram bandidos, tal como Flynn Rider, o deixassem de ser de um dia para o outro. Gosta de dançar e é muito romântica como Cinderela, contudo, não acredita em amor à primeira vista nem tem hora marcada para chegar a casa. Conserva em si ainda alguma inocência, tal como Branca de Neve, o que por vezes a impede de reconhecer alguns males que existem no mundo, mas não depende de nenhum homem para a proteger, muito menos de 7.

 

Assim sendo, os Contos de Encantar pertencem a outro mundo. No mundo real, estas personagens não viveram felizes para sempre.

 

 

 

01
Fev18

Dia Após Dia

post 4.jpg

Eu não sei bem o que aconteceu, mas algo mudou. Ela adivinhava sempre quando é que ele estava mal e não lhe perguntava se precisava de alguma coisa, apenas saía porta fora e ía socorrê-lo. Na verdade, não tenho a certeza se não era a forma de ela pedir-lhe socorro. Dona de si, com um passo apressado e sem olhar para trás. Que mulher... Não era perfeita e estava longe de o ser, mas mesmo cheia de imperfeições, era fiel a si própria. Amava com toda a essência do seu ser e era esse amor que ao mesmo tempo a destruía. Era a sua melhor cura e o seu pior veneno num só frasco. Parecia que havia um equilíbrio ideal. Dia após dia, a forma como caminhava para onde só ela sabia que ía, alterava-se. Até que começou a voltar pior do que ía. No frasco restou apenas o que a derrubava lentamente. Quando pensamos demasiado no bem dos outros, por vezes esquecemo-nos de cuidarmos de nós próprios. Ela não se prendeu em casa, apenas mudou de direção. Traçou as próprias rotas e os objetivos em função dos seus sonhos. Nunca é tarde para seguirmos os nossos sonhos, dizem. Entretanto, soube que mudou de casa. Algures construiu o seu refúgio e aprendeu a bastar-se a si própria. Aprendeu o significado de "amor próprio" e assim aprendeu a amar sem medida. Tornou-se a própria cura e decidiu afastar-se de tudo o que era tóxico. Errar qualquer um erra, aprender com os erros é que marca a diferença. Cruzei-me com ela no outro dia, nunca vi um sorriso tão vivo. Sorria com os olhos.

13
Dez17

Estrela Guia

follow-the-colours-curiosidades-cor-preta-preto-10

     Passei os últimos dias a pensar em ti. Tinha tanto para partilhar contigo. Quanto mais aprendo neste curso, mais me apercebo do quão negligentemente te trataram. A cada aula que tenho ou a cada documento que leio lembro-me da última vez que te consegui visitar antes de partires. Estavas tão frágil, debilmente abandonada naquela cama à mercê daqueles animais. Disseram-me que estava tudo controlado e eu, ignorante, acreditei. Vi o sofrimento nos teus olhos, mas deixei que aquelas palavras me acalmassem a alma e me vendassem os olhos. Vivias longe de mim, mal te conseguia ir ver e o facto de ter que ir embora novamente motivou-me a acreditar que estavas bem entregue. Se aquela bactéria oportunista que se apoderou do teu momento de fraqueza tivesse esperado, eu ter-te-ia ajudado a fechar-lhe a porta. Lutaria ao teu lado para a escorraçar com a mesma falta de piedade com que ela te roubou dos meus braços. Se pudesses voltar...Se eu na altura tivesse tido munições para te ajudar, mesmo que perdêssemos, pelo menos ficaria com a consciência tranquila quando partisses. No entanto, foste embora e eu tinha tanto para te dar. Ela chegou, cruzou comigo e a minha ignorância ainda lhe cedeu passagem. Se a pneumonia tivesse tido dó de nós, pelo menos tinha esperado. Eu teria feito melhor figura... Contudo, tenho presente a convicção de que apesar de não ter chegado a tempo de ter feito algo por ti, farei por marcar a vida das outras pessoas. És e sempre serás a minha estrela guia, avó. Quando queimar as fitas vou erguê-las bem alto em direção ao céu. Será uma vitória nossa!

 

24
Nov17

A Carta Que Nunca Receberás

 

 

_DSC0035 - Cópia.jpg

 

     "Isabela,

      Sim, porque há muitos anos que perdi o direito de te chamar de filha...

      Eu ainda hoje sonho contigo e dou por mim a pensar em ti. Choro. O que eu te fiz é imperdoável e agora que reflito sobre isso, eu nunca te pedi desculpa. Por vezes não é somente o que fizemos para que as pessoas partissem, mas também o que não fizemos para que elas voltassem. 

      Quando passei a viver apenas em função de mim, portanto, sem me preocupar contigo, agora vejo que te magoei. Na altura ainda não tinha aceitado que o teu pai tivesse negado submeter-se aos meus caprichos e se tivesse separado de mim. Eu odiei-o por isso e tu também tinhas que o odiar. Pensava eu. As minhas múltiplas tentativas falhadas de relações, às quais te expus, fizeram com que perdesse o resto da dignidade que me sobrava e caí num poço aparentemente sem fundo. Ignorei as vezes em que me limpaste as lágrimas dos olhos, em que me deste a mão e o colo e em que me pediste que não me deixasse corromper pelo ódio. Eu sentia necessidade de me sentir valorizada pelas pessoas de fora e não me preocupei com o valor que tinha para ti.

       Contudo, sei que quando pus aquele homem em nossa casa, mesmo sob avisos teus, isso ditou o nosso fim. No dia em que deixei que ele te tocasse eu perdi-te. Tu não odiavas o teu pai como eu e esse foi o teu castigo. Não quis saber quando berraste de desespero e quando te vi com a cara inchada, o olho negro e lágrimas mudas a correrem-te pelo rosto. Eu não ouvi o teu silêncio. O teu olhar tornou-se vazio e eu morri dentro de ti. Saíste com as malas pela porta de casa e eu não te impedi. Troquei a minha filha por um homem que hoje nem sei onde anda. 

       Hoje refleti sobre os anos que passaram... não te levei à escola no teu primeiro dia de aulas, nem te preparei com carinho os lanches. Não te vi radiante por ires à tua gala do 9º ano nem te acalmei quando sentiste receio sobre que àrea escolher seguir no secundário. Não soube que cursos ponderaste vir a seguir nem acompanhei os teus namoriscos da adolescência. Não fui contigo escolher o vestido para a tua gala de finalistas nem foi comigo que te foste inscrever na universidade. Nunca te cheguei a dar o meu traje com o qual sonhei ver-te vestida nem te contei as minhas peripécias enquanto estudante. Quando der por ti formas-te e eu nem assisti à tua queima das fitas. Como poderia querer que me chamasses de mãe?! 

       Não me lembro do teu sorriso nem do calor do teu abraço. Não me lembro da última vez que te demonstrei um gesto de carinho ou que te disse que gostava de ti. Deves estar uma mulher...

      Esta é a carta que nunca receberás. Não pelo facto das cartas terem caído em desuso, mas sim porque nunca seria capaz de ta mandar. No fundo acho que nem a irias ler...

      Cumprimentos saudosos e de arrependimento, 

a mulher que te teve mas que não foi capaz de te criar.

 

 

16
Nov17

Ela era tudo e eu não vi nada.

23517618_1508119112588608_7178962401256526612_n.jp

 Ela tem um sorriso de menina, mesmo já sendo uma mulher. Anda como se voasse, tal é a leveza do seu ser. O brilho dos seus olhos iluminam qualquer sinal de escuridão. Tem um coração grande e cheio de cicatrizes, mas isso não a impede de amar por inteiro. Ela é tudo isso e só agora é que eu reparei...

 Quando a admiro reparo na sua beleza e torturo-me por cada vez que lhe podia ter dito o quão linda é e não o fiz. Não houve uma vez em que eu não estivesse mal e que ela não me ajudasse antes de sequer eu perceber que precisava de ajuda e só agora é que reparei que nunca lhe agradeci. Mesmo assim, ela nunca me cobrou nada. Abrigou-me nos seus braços e pôs-me um sorriso na cara quando mais ninguém o fez. 

  Ela nunca me julgou pelo que ouviu sobre mim, esteve disposta a conhecer a minha essência. Amava-me mesmo com todos os meus defeitos e manias e desculpava-me sem que eu merecesse. Julguei que estaria, como sempre esteve, lá para mim, mas desta vez foi diferente. Tinha tanta coisa para lhe dizer que nunca disse porque sempre tive como garantido que nunca me faltaria tempo para o fazer. É uma pessoa com sentimentos e eu não soube respeitá-los.

  Quando a vejo com um sorriso na cara sabendo que não sou eu o motivo, algo muda dentro de mim. Aqueles sítios que outrora tiveram tanto significado já não me dizem nada. Queria ligar-lhe mas não saberia o que dizer, sinceramente, só queria ouvir a sua voz. 

Cheguei atrasado mais uma vez e lá estava ela à minha espera como sempre... no entanto, desta vez ela não me abraçou. Não tinha aquele sorriso contagiante que me fazia esquecer todas as intempéries. Como é que eu deixei que ela ficasse assim? - pensei. Foi essa a última vez que a vi. Prometeu-me que não voltaria a ficar assim por ninguém e foi-se embora. Partiu levando o meu coração e deixando apenas as memórias do que vivemos. Perdi o que nunca soube que tinha até então e perplexo restou-me o pensamento do quão fui feliz aqui... tinha tudo e não vi nada.

 

10
Nov17

Dia vs. Noite

post1.jpg

Dia...és tu? Noite...onde vais?

 

Passamos o dia a pensar na altura em que se faz noite. Nasce o dia e lamentamos a noite ter acabado.

Será o Sol menos importante que a Lua?

Será mais delicado amanhecer ou o luar?

O problema da humanidade prende-se à pressa com que se vive.

Somos capazes de passar pelos mesmo sítios todos os dias e só repararmos hoje numa linda casa aparentemente pacata que surge ao longe no meio de umas árvores... Aquilo esteve sempre ali?

Vemos todos os dias os mesmos rostos, reproduzimos um cumprimento automático e só hoje reparámos naquela pessoa que espera todos os dias os nossos "bons dias" ansiosa por nos ver... Ela esteve sempre ali?

Todas as noites ao nos deitarmos esperamos que o dia seguinte seja melhor, acordamos com essa esperança mas não com a força necessária para que alcancemos o nosso objetivo até que hoje decidimos fazer algo melhor... Foi sempre isso que falhou?

Saímos à noite para dançar, beber e conviver, mas hoje acabámos por apenas ir ver o reflexo da lua no rio... Perdi isto todas as noites?

O Dia e a Noite não existem um sem o outro, porque não valorizar o que cada um tem de melhor?!

Temos que saber quando ser o Sol e quando deixar a Lua brilhar.

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D